“Cinema Marginal Brasileiro – Uma análise da personagem Ângela Carne e Osso, a inimiga número um dos homens”

Sexta-feira da semana passada, dia 29/11, a Ancine retirou os cartazes de produções da parede da agência localizada no Rio de Janeiro. Além disso, diversos dados sobre filmes nacionais foram retirados do site.
Diante de tal atitude e lembrando que esta semana a UFPR está sediando o IV Colóquio Internacional de Cinema e História, no #tbt de hoje retomamos a publicação “Cinema Marginal Brasileiro – Uma análise da personagem Ângela Carne e Osso, a inimiga número um dos homens” de agosto de 2018.
Este resultado preliminar de pesquisa do projeto coletivo “1968: imagens, contracultura, guerra, revolução” tratou sobre o Cinema Marginal Brasileiro, mais especificamente sobre o filme “A Mulher de Todos” (1969), de Rogério Sganzerla. Através da atuação de Helena Ignez, que interpreta a personagem Ângela Carne e Osso, procurou-se pensar a participação feminina em um meio marcado pela presença predominantemente masculina.

A publicação também trouxe a questão da censura imposta ao cinema pela Ditadura Militar, especialmente após o decreto do Ato Institucional Número 5 (AI-5), em 1968. Para isso foram analisadas as fichas de censura disponibilizadas no link: http://www.memoriacinebr.com.br/

Link para o 12° resultado preliminar de pesquisa “Cinema Marginal Brasileiro – Uma análise da personagem Ângela Carne e Osso, a inimiga número um dos homens”: https://drive.google.com/file/d/1GcR_FSaCW65uv1qJC8Mt_MEd0b4asqk3/view?fbclid=IwAR3_sVxGsW6_A1WQAxXooHux6vPrSU68f7pEpFPQjOgMmjy-UxvPuut69Go

 

Programação IV Colóquio Internacional de Cinema e História: http://historiaeaudiovisual.weebly.com/programaccedilatildeo.html?fbclid=IwAR3gQ6xsOlHNAf-Knakz7sKpKWBVhSOApM0DbAf4CYXYBwVC1V7C7ix8l68

Evento “Chile na encruzilhada: mudança política ou paradigmática?”

Ontem (26/11) ocorreu o evento “Chile na encruzilhada: mudança política ou paradigmática?” com o Prof. Hector Hernandez. Na fala, o professor destacou aspectos da interdependência de fatores históricos, econômicos e sociais que culminaram nos recentes protestos. Além disso, foram apresentados cartazes e posts das passeatas seguido de uma explicação sobre os mesmos.
O público lotou a sala do evento.

 

Edital de convocação de candidatos para tutor do Grupo PET História UFPR

Estão abertas as inscrições para nova tutoria do PET História UFPR.

Os candidatos deverão entregar suas inscrições e documentos necessários na Secretaria da Coordenação do Curso de História entre 9h do dia 18 de novembro de 2019 até 17h59 do dia 28 de novembro de 2019.
A apresentação pública do Plano de atividades e a entrevista serão no dia 02 de dezembro de 2019, a partir das 13h30(por ordem de inscrição), na sala Carlos Antunes, 6º andar. Ed. D. Pedro I.

Clique aqui para acessar o edital.

15º Resultado Preliminar de Pesquisa do projeto 1939

Há 55 anos, iniciou-se a Ditadura Militar no Brasil. Castello Branco, o primeiro presidente militar, esteve presente também nos quadros da FEB durante a Segunda Guerra Mundial. A tentativa de relacionar a tomada de poder pelos militares com os objetivos do Brasil na Guerra, que lutaram contra o nazi-fascismo, ganhou força quando o jornalista Joel Silveira, repórter que cobriu a Força Expedicionária Brasileira, ligou essa instituição aos golpistas. Portanto, o último resultado de pesquisa coletiva do grupo PET História visa entender se esse discurso se sustenta, ou se a FEB foi utilizada politicamente para legitimar o Golpe de 64.

 

Link para o projeto “1939: nazi-fascismo, stalinismo, guerra e revolução”: https://drive.google.com/file/d/10Ozfb2W6aDG08UxzysGmFH_yhcMzhBm7/view?fbclid=IwAR3Hcjsudb1Ywgs-k8ccpgYJQj9RB_RNxgdhmK6XY0xhATKhthUTXzatv4M

Recursos Pedagógicos para História

As bolsistas do grupo PET História UFPR Thaís Cattani Perroni e Lauriane Rosa fizeram uma exposição para os estudantes de graduação da Disciplina de Recursos Pedagógicos para História relativa às atividades conjuntas recentemente realizadas com o Colégio da Polícia Militar do Paraná (CPM) e o Museu do Expedicionário (MEXP). Foi apresentada e descrita a sequência de eventos que incluíram a preparação das visitas mediadas de estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental com visitas técnicas preliminares ao Museu, debate, planejamento e discussão com o Diretor e Museóloga responsáveis; preparação e execução de aulas no Colégio relativas a Segunda Guerra Mundial e a participação do Brasil naquele conflito; recepção de seis turmas de estudantes do CPM para realizar visitas mediadas ao MEXP, além de turmas de outras escolas públicas não previamente agendadas bem como visitantes espontâneos; retorno ao Colégio para aplicação de prova com conteúdos relativos a visita mediada; correção das provas e divulgação dos resultados. Thaís destacou as dificuldades enfrentadas decorrentes da insuficiência de conteúdos necessários para o exercício destas atividades, que não foram oferecidos ao longo do seu curso de graduação, bem como o caráter peculiar da disciplina que recai sobre os estudantes de uma escola militarizada. Lauriane enfatizou, com referência as aulas ministradas, a diferença de recursos e de infraestrutura entre uma escola de ponta como é o CPM e escolas comuns da rede pública de ensino na qual já havia atuado. Ao encerrar as discussões e debates sobre a experiência realizada o Tutor do grupo PET História Professor Dennison de Oliveira, responsável pela disciplina, destacou a importância das atividades desenvolvidas, as quais devem servir como referência para incluir no futuro outras escolas e outros museus, em um contexto de conversão da graduação em História em um curso exclusivamente de formação de professores, bem como da curricularização das atividades de extensão em 10% da carga horária total do curso. Finalizando, destacou a crescente repercussão das postagens de resultados preliminares de pesquisa do Projeto 1939: nazi-fascismo, stalinismo, guerra e revolução, as quais permitem considerá-las como do âmbito da História Pública, uma vez que ultrapassaram trinta mil pessoas atingidas.

Para conhecer o projeto 1939 clique aqui: 

https://drive.google.com/file/d/10Ozfb2W6aDG08UxzysGmFH_yhcMzhBm7/view?fbclid=IwAR2nCysvUju9TfQ-ozOnqEO_S46jNGLZN_zTtwutU8lvg6X_KZYGLxf0Go8

74159580_469827260296290_2728322707144835072_n.jpg 74232799_935135966866588_6270958015176769536_n.jpg74430807_704668913378786_3592960217228247040_n.jpg

ÚLTIMA AULA DO CURSO “HISTÓRIA DO BRASIL” EM PARCERIA COM O PROJETO PBMIH, EM 2019

Na tarde do sábado passado (26/09), foi ministrada a última aula do curso de História do Brasil para imigrantes, que é realizado em parceria com o projeto Português Brasileiro para Migração Humanitária, da UFPR.
Nessa aula, apresentamos os aspectos principais referentes ao tema “Atualidades”, comentando a estrutura política brasileira, os eventos que envolveram o Impeachment de Dilma Rousseff e a eleição de 2018.

Você pode acessar o material didático distribuído nas aulas por meio do link: https://drive.google.com/file/d/1eHA77oM1DdxMvHE610DGd4CnAspZNDjk/view?fbclid=IwAR2HHZY5XBZndARQaH3rowC6_8E-W3pKDRuIWxEZ8EJNMwlXL0Fkg-lfKG4

“Como se fôssemos um bando de carneiros”: Uma análise da desmobilização e memória da FEB através dos relatos de ex-combatentes

Quando voltaram ao Brasil após o fim da guerra, os pracinhas tinham um futuro incerto. Embora o 1º escalão da FEB tenha sido recebido com o Desfile da Vitória em 18 de julho de 1945, a falta de uma política de desmobilização bem organizada e previamente planejada prejudicou a reinserção social dos ex-combatentes. Neste resultado preliminar, abordamos os motivos da rápida desmobilização da FEB e o abandono ao qual os pracinhas foram submetidos no pós-guerra por meio da análise de entrevistas realizadas com três ex-combatentes, as quais integram o Projeto de História Oral do Exército na Segunda Guerra, produzido pelo Exército Brasileiro. Dentre os maiores problemas vividos pelos pracinhas após o retorno está a dificuldade de conseguirem emprego, devido ao estigma dos traumas psicológicos da guerra, e de usufruírem efetivamente dos direitos que posteriormente lhes foram atribuídos. Os ex-combatentes passaram rapidamente de heróis à pessoas desamparadas e até estigmatizadas.

Para entender mais sobre essa parte da história da FEB, acesse: https://drive.google.com/file/d/1tFEey_D5jjNVmq_XmZwbapprRoJxWzTF/view?usp=sharing

 

Link para o projeto “1939: nazi-fascismo, stalinismo, guerra e revolução”: https://drive.google.com/file/d/10Ozfb2W6aDG08UxzysGmFH_yhcMzhBm7/view?fbclid=IwAR0K3uZtjIHcEKbPydnF5x4Wg3Z9P6KArlkjUrq2BDz4e1LzYQgNPHszAn8

Sem título.jpg   E-14260-808x1024.jpg

traumatizado.jpg  b1799605-a135-4d46-bf90-aac24d532de0.jpg